Reforma trabalhista: Centrais aumentam pressão sobre senadores

Emir Sader: As aventuras golpistas da direita brasileira
julho 3, 2017
Eduardo Bomfim: Um Projeto de Brasil
julho 7, 2017
Exibir tudo

“A aprovação do pedido de urgência na votação da reforma trabalhista demonstra a pressa em que o ilegítimo governo Temer, denunciado por corrupção, e sua tropa de choque pretendem atuar para retirar os direitos trabalhistas”, denunciou o presidente da CTB, Adilson Araújo.

De acordo com ele, esta é uma semana “para fazer muito barulho” especialmente nas bases eleitorais dos senadores. “É preciso alertar que quem votar contra a classe trabalhadora nunca mais vai ser eleito, pois os trabalhadores e trabalhadoras brasileiras não perdoarão aqueles que lhes roubarem o futuro. Na semana que vem, todos ao Senado”, convocou Adilson Araújo.

A direção da CUT também orientou as bases em todos os estados para que pressionem os senadores. O Projeto de Lei da Câmara (PLC) 38/2017 será votado no plenário em votação decisiva e final. A central recomendou o uso do site Na Pressão, onde há uma campanha específica para a reforma trabalhista, que proporciona acesso direto a todos os canais e redes sociais dos senadores, além de informar a posição de cada senador sobre a reforma.

O presidente da CUT, Vagner Freitas, destacou no lançamento do site que os senadores “dizem que o que os deixa com medo é justamente a pressão nas bases. Então, a ideia é justamente furar o bloqueio e mostrar a indignação dessas bases”.

O secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna, afirmou em artigo publicado nesta quarta-feira (5) no site da entidade que as reformas explicitam as “intenções arbitrárias do governo”, que, na opinião do sindicalista, errou na política econômica.

“As reformas trabalhista e da Previdência propostas pelo governo, que aguardam uma decisão do Congresso, escancaram de vez a intenção arbitrária de mascarar seus próprios erros no que se refere ? condução da economia nacional, tirando daqueles que ganham menos e privilegiando uns poucos endinheirados”, afirmou o dirigente.

Na opinião de Juruna, “qualquer reforma que signifique redução ou supressão de direitos é inadequada e fere de morte um contingente inimaginável de pessoas que só desejam levar adiante suas vidas com dignidade”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *